Pelas serras em Mação

 

Hoje a meio da tarde aproveitei para dar uma volta perto das Casas-da-Ribeira (Mação), para ver como estavam certos locais onde há uns anos já não passava.

A meio do percurso encontro umas flores que se destacam entre os verdes, castanhos e azuis da paisagem, provavelmente milhares de flores pequeníssimas concentradas numa só planta. Juntas compõem um conjunto fabuloso. Trata-se de um “queiró” (Erica umbellata), é das poucas urzes desta espécie em floração no local. A sua floração estende-se do mês de Janeiro até Setembro, e estas devem ser as primeiras.

Também encontro uma Erica lusitânica, esta é muito parecida com a urze-branca (Erica arbórea), mas julgo que nesta altura do ano a “arbórea” ainda não esteja em floração.

Pelas serras nota-se que praticamente está tudo ao abandono, tirando alguns terrenos já surribados e com plantações de eucaliptos. Também se vêm algumas colmeias por lá, já que por ali há muitas plantas, são flores que têm muito interesse para a apicultura.

No fundo do vale nas margens da ribeira, as acácias são rainhas, e dominam tudo o que lá vive, entre elas ainda restam alguns amieiros, salgueiros e choupos que lutam pelo seu “punhado” de luz. Uma luta que acabará por ser ingrata, pois as acácias crescem rápido e alto, ao fim de uns anos estas árvores autóctones acabarão por sucumbir na sombra desta letal invasora. Na sua sombra tudo acaba por desaparecer, e desafio a qualquer um dos leitores a passar num local cheio de acácias com médio ou grande porte, e observem com os próprios olhos.

Na serra os pinheiros há muito que já pedem um desbaste, provavelmente se tivessem sido acompanhados e tratados já teriam o dobro do tamanho, ou mais. Uma ZIF (zona de intervenção florestal) neste local poderia por este enorme vale a “andar”.

No topo de um pinheiro avisto um picanço-real (Lanius meridionalis), uma ave residente.

É incrível como passamos em muitas zonas do país em que as populações aproveitam cada pedaço de terra. Por cá até nas zonas mais férteis e produtivas como no fundo deste vale estão silenciosas, não há vivalma, nem hortas, e até nesses locais há quem ouse plantar eucaliptos, zonas onde poderiam crescer choupais, ou outras culturas adequadas a esses locais.

Para finalizar ainda vi petinha-dos-prados, eram umas sete ou oito. Estas ao contrário do picanço que avistei, são invernantes por cá.

Continuação de um bom fim de semana!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s