Pela ribeira de Belver

Hoje pela manhã com o céu parcialmente nublado aproveitei para visitar uma zona em Belver conhecida como as “cascatas”, por esta altura a água já é pouca por isso não esperei muita “acção” da parte da ribeira…

Iniciei o meu caminho à saída de Belver a caminho da Torre, onde existe uma marcação de um caminho pedestre, e lá fui eu por entre oliveiras e sobreiros, silvados e arbustos que eu não sei o nome, por ali os rouxinóis cantavam a seu belo prazer, carriças, melros, milheiras e tantas outras aves entoavam as suas melodias. No ar esvoaçavam andorinhas das rochas juntamente com algumas andorinhas dáuricas, e por todo o lado havia borboletas com cores esbeltas.

Continuando lá cheguei a um local onde pelas pedras passei a ribeira de Belver, a água era pouca mas imagino como será no inverno…

Chego a uma velha construção na qual reparo numa placa com umas inscrições onde leio “Este lagar foi mandado fazer por D. Anna Genebra em 1822. E reedificado por seu genro Eugenio de Sequeira em 1879”. Bom uma construção bem antiga, mas por estes dias e a ver pelas ruínas já não há quem lhe dê a mão.

Por todo o lado se veem flores, umas simples outras mais complexas, mas todas elas com uma beleza muito própria.

Chego então ás ditas cascatas, a água que corre não é muita, mas dá para ter uma ideia de como será em tempo de chuva, dois cágados entram rapidamente na água. Atravesso uma ponte de madeira reforçada com cabos, abana por todo o lado mas está em bom estado, trata-se de uma ponte suspensa. Na paisagem só não me alegram os eucaliptos que por ali vejo.

Começando a subir o monte pedra ante pedra lá chego a uma zona onde vislumbro o castelo de Belver ao longe.

Continuo a ver borboletas é mesmo o tempo delas, e heis que numa flor se esconde uma aranha das urzes Thomisus onustus pronta para apanhar algum insecto mais distraído que por ali pouse. Uma salsaparrilha-do reino Smilax aspera destaca-se com as suas bagas avermelhas.

Por fim termino o meu caminho com belas vistas, são sobreiros, pinheiros e oliveiras, azinheiras e o belo castelo de Belver um marco bem firme na paisagem.

São quase horas de almoço fico por aqui.

Grande abraço!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s