Violetas bravas.

A violeta-brava Viola riviniana ou Viola canina é uma planta perene que pertence à família violaceae à qual pertence outra planta bastante conhecida dos nossos jardins, o amor-perfeito. “Viola” em latim significa violeta e o termo “riviniana” é uma homenagem ao botânico alemão Augustus Quirinus Rivinus.

Esta geralmente prospera em locais sombrios, húmidos e frescos, normalmente encontro-a junto a regatos, e outras zonas ribeirinhas, em bosques de amieiros, sanguinhos de água, sabugueiros, entre outras.

Nesta altura do ano já a podemos encontrar em floração, e é devido às suas bonitas flores violeta que por vezes as podemos encontrar em jardins. As folhas desta planta tem a forma de um coração.

Existe uma borboleta que depende de algumas espécies da família violaceae, entre elas a violeta-brava, trata-se da borboleta laranja-grande Argynnis adippe. As suas lagartas desenvolvem-se nas violetas. Ainda não encontrei nenhuma pois é cedo, talvez lá para o mês de Maio encontre alguma.

Já nós, esta planta, além de a podermos ter no nosso jardim, podemos aproveitar as suas flores para fazer licor de violeta, para isso devemos escolher flores que exalem o melhor cheiro, recolhendo a flor juntamente com o pedúnculo.

A violeta-odorata Viola odorata será a espécie mais indicada pois exalam um odor mais forte.

Começa-se por coloca-las num frasco de boca larga e cobri-las com aguardente. Este preparado deve permanecer assim pelo menos durante 4 meses, se for mais não faz mal nenhum. As flores na aguardente logo perdem a cor, e esta fica com uma cor amarelada, com um pouco de atenção poderemos reparar numas nuances violeta.

Na fase seguinte, é preciso espremer bem as violetas e passar o líquido num passador. Separamos uma medida de aguardente, uma medida de água e uma medida de açúcar. Coloca-se a ferver a água com o açúcar até ao ponto pérola, isto é, quando a calda chega ao ponto em que ao escorrer numa colher este forma uma pequena gota (pérola) de calda. Quando esta arrefecer e estiver fria misturamos a aguardente, seguidamente passamos o líquido num funil com um filtro de café.

Esta receita foi cedida pela amiga Rosário Nicolau.

Nada como experimentar.

Abraço!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.