Salamandra-de-costelas-salientes

Depois de já ter escrito sobre os mais variados anfíbios que se podem encontrar em Portugal, heis que chegou a vez de falar um pouco sobre a salamandra-de-costas-salientes. Não porque estava na agenda, mas por ocasião, já que numa destas noites tive um “encontro imediato”!

Por volta da uma hora da manhã quando regressava a casa tive a sorte de encontrar uma.

Também conhecida como salamandra-dos-poços (Pleurodeles waltl Michaheles, 1830) é o maior urodelo (anfíbio com cauda) que encontramos em Portugal, podendo atingir cerca de 25 cm. Este espécime que encontrei não teria mais de 17cm.

O que me chamou mais a atenção, foi sem dúvida a cabeça grande e achatada, com dois pequenos olhos acastanhados, e em muito livros é descrita como tendo um aspeto primitivo o que não posso deixar de subscrever.

Como podem observar pelas fotografias que tirei, a sua paleta de cores varia entre os castanhos, cinzentos e laranjas.

Este animal possui glândulas nos flancos entre as patas dianteiras e traseiras e quando se sente ameaçado projecta as costelas expelindo por estas glândulas substâncias tóxicas (observem na foto os locais mais alaranjados) que acabarão por dissuadir qualquer animal que o queira comer… não todos mas muitos desistirão. Daí provém o seu nome.

Observem na foto os locais mais alaranjados.

A cauda é achatada lateralmente.

Não é um animal fácil de observar pois além do mimetismo, passa muito tempo debaixo de água. É nos meses mais frios do ano que se torna mais activa podendo ser observada ocasionalmente.

Alimenta-se de insectos e outros invertebrados entre outros pequenos seres.

Distribui-se pela Península-Ibérica e pelo Noroeste de Marrocos. Em Portugal é comum por todo o país, contudo no Norte do país as suas populações encontram-se mais dispersas.

A poluição, introdução de espécies exóticas e destruição de habitats, são alguns factores que influenciam negativamente a espécie. De realçar, e observo no terreno, que a mobilização de terras sem estudo prévio levam à perda de pontos de água, como nascentes, se a estes acrescentarmos os incêndios frequentes e consequente perda de habitat terrestre, veremos que há muito a fazer no que toca à manutenção de espécies como esta, que tendem a desaparecer em certos locais do país.

Um grande abraço!

Gady

 

Algumas referências bibliográficas:

MARAVALHAS, Ernestino, SOARES, Albano (2017) – Anfíbios e Repteis de Portugal / Amphibians and Reptiles of Portugal. Booky Publisher.

ALMEIDA, N. F., ALMEIDA, P. F., GONÇALVES, Helena, SEQUEIRA, Fernando, TEIXEIRA, José, ALMEIDA, F. F. (2001) – Guia de Campo dos Anfíbios e Répteis de Portugal. FAPAS.

CALDAS, Armando (2010) – Anfíbios de Portugal – Guia fotográfico Quercus. Quecus – Associação Nacional de Conservação da Natureza.

 

Na web:

http://lifecharcos.lpn.pt/vertebrados.php?id=41

2 thoughts on “Salamandra-de-costelas-salientes

  1. Bravo pelo teu trabalho de um grande especialista.
    Devemos todos proteger a fauna,sobretudo aquela que está em vias de extinção, como a salamandra .
    Idem para a flora.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.