Já alguma vez tentaste identificar um morcego?!

Já alguma vez tentaste identificar um morcego?!

Como sabem a vida é feita de muitos encontros inesperados, há alguns meses atrás, mais propriamente no mês de Setembro, fui encontrar um pequeno mamífero dentro de casa, estava escondido na reentrância de uma porta que ao abri-la fê-lo cair.

Era um morcego e a primeira coisa a fazer era liberta-lo de novo, em segurança…

Para ser sincero, não percebo muito destes estranhos animais que usam a ecolocalização para se situarem na escuridão e também para caçar as presas de que se alimentam. Em Portugal podemos encontrar cerca de 25 espécies de morcegos, à partida parecem ser todos muito parecidos, mas existem diferenças…

Coloquei-o com cuidado no chão para tirar algumas fotografias e uns apontamentos para mais tarde tirar algumas conclusões…

 

 

Em seguida coloquei-o perto de uma reentrância de uma árvore na esperança que servisse de abrigo até a noite chegar…

 

 

Fiquei ali perto a observar, três minutos depois levantou voo e desapareceu por entre uns pinheiros colossais mais acima… e assim acabou este pequeno encontro. Mas, dentro da máquina fotográfica e num pedaço de papel ficaram alguns registos para rever…

Como a vida é intensa e cheia de actividade acabei por guardar tudo para quando tivesse mais tempo e assim só hoje publico este artigo.

Fui procurar o Atlas dos morcegos de Portugal continental; um livro da Collins Field Guide – Mammals of Britain & Europe e fiz umas pesquizas em http://www.iucnredlist.org (Bibliografia no final do texto), cruzei todos os dados com as fotos e apontamentos que tirei…

Posso começar já pela conclusão. Trata-se de um Morcego de Savii, Hypsugo savvi (Bonaparte, 1837) que pode ser conhecido também por esta sinonímia, Pipistrellus savvi.

Tinha cerca de 7 cm de comprimento, por cima é castanho, mais claro na extremidade dos pelos e mais escuro na base, a parte ventral é mais clara, nesta foto (na zona do “pescoço”) nota-se a transição de cor bem demarcada entre a parte dorsal e a ventral.

 

 

As narinas são voltadas para a frente, as orelhas são curtas e largas e tanto a face como as orelhas são de cor preta.

 

 

As membranas alares (asas = patágio e uropatágio = membrana caudal) também são de cor preta. Se a todas estas características juntarmos o facto da cauda se prolongar cerca de 4 mm além do uropatágio. Repare-se que esta membrana começa junto à base dos dedos. Temos identificado com toda a certeza o morcego de savii.

 

 

Segundo o Atlas de Morcegos de Portugal Continental esta espécie tem sido encontrada em regiões montanhosas do Norte e centro do país.

Nas noites quentes é normal ver esta e outras espécies de morcegos a voar em volta da luz do candeeiro de rua em busca de insectos que por ali voam. Não é a primeira vez que os fotografo durante o dia, mas como desta vez tive contacto com o animal para o colocar a salvo consegui identifica-lo e assim escrever este artigo.

Grande abraço!

Gady

Barros, Paulo (2013) – Morcego de Savii in: Atlas dos morcegos de Portugal Continental, ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

MacDonald, David; Barret, Priscilla (1993) – Collins Field Guide – Mammals of Britain & Europe. HarperCollinsPublishers, London.

https://www.iucnredlist.org/species/44856/22072380

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.